Make your own free website on Tripod.com
 
suzzzzzzzzzzzzzzz, 
hoje eu  acordei fazendo uma five year old question: “para onde voam os ventiladores de teto no inverno?”.  
você não entenderia o que é poder entrar em 4 bares numa mesma noite (você nunca foi parceira pra isso) e não tomar rigorosamente nada. quanto ao dinheiro, hey ho! no último bar encontrei uma garota que é roadie de uma banda daqui (“os abomináveis filhos de sartre”) e ela disse que vai me conseguir um emprego vendendo camisetas no show. ah, se eu tivesse toda essa determinação quando moramos juntos, né? o som é uma espécie de bee gees pós-seattle. cool , huh? não torce o nariz, quem já foi num show da lisa minelli não pode torcer o nariz pra mais nada. pergunta pra evan sobre os ventiladores de teto. e deixe de ser tão corrosiva suzie, não é pra convesar comigo mesmo que eu te escrevo, se fosse assim eu leria a sessão de quadrinhos do jornal até a vontade passar.  
acabo de lembrar que deixei o telefone da roadie em casa. 
beijos e aranhas de plástico no seu lanche, 
cal.
 
calvin, seu astronauta de shopping,
se você fosse menos ácido eu não ficaria tão inclinada a entrar no jogo do ele disse/ela disse por e-mail. certo, é seu o título de corrisivo-junkie bom vivant. good for you. evan aprendeu a fazer dobraduras na creche, e são essas coisas que me importam. sinto que sobra vontade e falta sonho toda vez que você veste seu salva-vidas no mar de empregos temporários. frustração diária se combate com os olhos atentos para o inesperado, cal. 
acabo de ganhar um barquinho feito pela evan. às vezes eu quero desdobrar o origami em que me tornei. hobbes disse que os ventiladores de teto no inverno vão atrás de meninos que não querem tomar banho. 
escrevi a palavra divórcio no meu diário pela primeira vez.
“love in the 90s is paranoid.”
lembre disso quando ligar pra roadie,
beijos e sopa para jantar,
suz.