Make your own free website on Tripod.com
 
ALGUMAS ESTRATÉGIAS DE ABORDAGEM DO PRODUTO/MARCA/SERVIÇO/IDÉIA.

- Nem todo redator conhece estas estratégias assim classificadas ou separadas, mas sim através da vivência e pela produção constante. 
- Mas estar familiarizado com elas ajuda você a poder começar a olhar para uma peça publicitária (anúncio, vt, spot, etc) fugindo do “senso comum” ("é bom porque é legal, é ruim porque eu achei feio") e podem nos auxiliar a responder a pergunta “por onde eu vou” quando recebo o briefing e passo a desenvolver o texto.
- A escolha de uma ou mais delas vai envolver não somente o profissional de criação, mas também os outros profissionais (planejamento, atendimento, mídia) que contribuem para que se construa um “perfil do cliente” e com isso se tenha mais probabilidade de estar escolhendo as estratégias com mais possibilidade de gerar bons resultados.


- Creio ser possível e até mais interessante conseguir combinar diferentes estratégias numa mesma peça, até porque assim o redator não fica preso a escolher entre opções e sim saber o que dosar de cada uma dessas estratégias.

1) Leve o consumidor com você impondo um raciocínio “lógico”. Faça o consumidor evoluir da “lógica” de uma situação para o seu produto. Ex.: campanha Mastercard. Existem coisas que o dinheiro que não compra, para todas as outras existe Mastercard.
 

2) Apelo da emoção/humanizar > emocionar o consumidor para que ele se identifique com o produto.
Ex.: Itaú Seguros (VT que mostra pai acordando para cuidar do filho, “ele vai deixar vc sem dormir por noites e noites...”. Zaffari – Comerciais de final de ano.

3) Do particular do produto para o geral. Eleja um detalhe do produto/serviço e faça este detalhe vender o todo. Um pequeno aspecto prova a coerência do resto. 

4) Detalhamento – explicativo > muito utilizado em anúncios para eletro-eletrônicos e automóveis, computadores. Coloca-se tópicos, descreve-se cada item.


5) Explicar o antiproduto > não é comparar com a concorrência e sim exemplificar na peça as conseqüências de não utilizar aquela marca/produto/serviço.
Ex.: Foto de estudante dormindo numa sala de aula. “Sai mais barato dormir num Transuni.” Ou “Essa soneca acaba de custar 00 Reais.” Da próxima vez venha de Transuni. 20 rotas de Poa a Unisinos em 35 minutos."

6) Desdobre o uso do produto. > “Embale” o produto em sugestões. Ex.: Receitas de bolo, doces, etc em anúncios p/ produtos alimentícios. Bombons para dar para namorados/as. Pizza com guaraná. 

7) Usar informação – fatos > a verdade vende mais do que mil trocadilhos.
Ex.: Estatísticas, percentual de vendas. “Gol. O carro do ano pela 7a vez consecutiva”. 

8) Testemunhal. Dividido entre aqueles que trabalham com celebridades para “conferir credibilidade” e outros que chamam o consumidor para comprovar a eficiência.
Ex.: Omo e suas consumidoras. Lux Luxo e as modelos/atrizes.

9) Propor um enigma, curiosidade, polêmica > Resolver  a “venda” em 2 tempos.
Ex.: texto para malas-diretas costumam usar desse recurso. Outdoors também utilizam-se desta estratégia, por quinzena. Recurso comum quando é necessário o “TEASER”. Muitas vezes a polêmica surge mais pela reação do público do que a intenção incial da agência/cliente. Ex.: VT CCAA Schwartzneger, Campanha do Bráulio, etc...
10) Humor – recurso amplamente utilizado. Mas é importante não deixá-lo gratuito, anexá-lo a marca, ao serviço, combiná-lo com outras estratégias.
Ex.: Bombril.

Quando o humor não funciona: quando ele não agrega à marca. 

11) Propaganda Comparativa > usar a concorrência ou outra marca para projetar o seu produto. 
Ex.: SBT no início dos anos 90. Vice-Líder Absoluto. Pastilhas Benalete usando comercial do Marlboro.